segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Falando sobre sexo

É curioso como certos temas são pouco explorados em sala de aula ou mesmos visto por professores como tabu. O sexo é um desses temas.
Não,eu não estou falando da parte biológica apenas, mas aquilo que envolve sexualidade, comportamento, proteção, portanto aquilo que vai além dos gametas e cromossomos.
Muitos dirão que isso não é uma assunto interdisciplinar, mas vejamos... Na Geografia esse assunto pode ser abordado na parte de estudos de população e teorias demográficas, por exemplo. Em literatura creio que a comparação da visão sobre o sexo em estilos como o romantismo e algum texto contemporâneo seria bem interessante, na matemática com o uso de estatísticas, enfim, os professores de cada disciplina dentro das habilidades, competências e conteúdos que pretendem desenvolver e de acordo também com a faixa etária, poderiam explorar o assunto.
A base de tudo para que o debate se dê de forma produtiva é a informação.
Deve-se pesquisar o assunto sem pudores. O professor não deve conduzir o debate com base em opiniões próprias, fundamentos políticos ou religiosos. No entanto não deve ser imparcial, mas pontuando aquilo que é sua opinião e o que é baseado nas regras de convivência em sociedade.
É de bom tom que se use termos adequados durante a conversa, afinal você não está com seus amigos em uma mesa de bar.
No mais, o debate vale a pena, é surpreendente o que os alunos comentam e perguntam. Ideias equivocadas como "opção sexual", apologia a práticas como "pele na pele" e até dúvidas sobre o fucionamente de certos artigos eróticos.
A experiência que tive foi em uma turma de 8º ano (antiga 7ª série), mas no artigo "O assunto é Sexo. E é sério" (para ler basta clicar na figura ao fim da postagem) a revista preparou um projeto para se tratar do assunto em turmas da educação infantil ao 9º ano. É interessante se guiar para não cometer equívocos, mas adequar o debate à sua turma.
Boa aula!

Nenhum comentário: